BONESNAKE

Capítulo I - Coroas da Justiça.
Coroas da Justiça

Capítulo I: Coroas da Justiça.

O Missionário Josh Mackenzie é um homem reservado. A sua chegada na cidade ocorreu no dia 27 de maio de 1887, numa sexta-feira, justamente com os primeiros raios do dia. Dirigiu-se até o primeiro estabelecimento que já se encontrava funcionando, o Saloon chamado “O Alamo” propriedade de Cyrus Riley e de Mary Jones. Ao adentrar no local caminhou até uma mesa, e lá ficou até que um garçom retirou o seu pedido. O missionário de pele vermelha desejava apenas fazer a sua primeira refeição do dia, mas ele não havia notado que não tão distante ele era vigiado por olhos fulgazes, mas atentos a cada movimento que Mackenzie realizava, olhos de uma dama esperta e prevenida de homens estranhos, e esse era um deles.

Durante o seu desjejum três homens entraram no recinto, dois deles ficaram à soleira da porta. O que parou do lado direito estava com as mãos pesadas sobre dois revolveres e o outro segurava uma espingarda já desgastada, uma velha Winchester. O terceiro homem, o mais baixo e roliço dentre eles se adiantou, e a passos pequenos e pesados gentilmente apresentou-se como Arthur Winchell. Ele se aproximou do balcão, pediu uma dose de wisky e perguntou à moça que limpava algumas canecas, mas de vestido muito bem cortado, onde se encontrava o velho Reverendo local, pois sentia falta da presença do velho. A dama virou-se, dando as costas ao homem por alguns segundos, tempo suficiente para alcançar um copo mais próximo para então servi-lo, claro não se se esqueceu de cuspir dentro da peça como sinal de repúdia tanto à pergunta como também ao oficial da lei, pois ele sabia a resposta. Ela se virou ao xerife e respondeu docemente, mas com certa rispidez e amargura na fala que, com toda certeza seu pai encontrava-se recluso na igreja da cidade. Winchell claramente sabia disso, mas ele não deixava de se divertir com essa situação.
O missionário Mackenzie pôde ver que o oficial ao obter a resposta terminou a sua bebida, lustrou uma estrela presa ao em seu colete, e logo se adiantou aos seus afazeres. Cumprimentou o missionário e saiu rapidamente, ao sair ele lançou que se a garota precisasse de algo, poderia procurá-lo na Delegacia. Josh percebeu neste momento que a informação sobre a localização do Reverendo veio em boa hora, apressou-se em terminar a sua refeição, a pagou e decidiu rumar até a Igreja para uma conversinha rápida.

Chegando na Igreja, Josh não deixou de reparar na grande placa branca entalhada que estava emoldurada por lindos ornamentos pintados a mão, e em tinta negra, nela dizia: “Primeira Sagrada Igreja Católica de Bonesnake – Kansas – Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda – Timóteo 4:8”.

O missionário então se aproximou, ficou diante da porta e bateu algumas vezes até ser atendido pelo Reverendo, o recebendo ao abrir a porta dupla da igreja. Então Josh, pediu alguns minutos da atenção do Reverendo, pois tinha algumas palavras a serem entregues, palavras do velho Mackenzie, neste momento o semblante sereno e caridoso do Reverendo John tornou-se alerta e preocupado, e com cautela convidou o índio para entrar. Josh não fez cerimônia, adentrou e foi direto ao ponto, o Reverendo deveria ceder da sua sua própria alimentação, abrigo e deveria ceder hospitalidade para que o missionário não revelasse o passado do Reverendo aos quatro ventos, e se isso acontecesse com certeza ele iria cair em desgraça. Ao escutar a ordem e o sobrenome invocado de seus passado, o Reverendo imediatamente cedeu as exigências do índio, e o missionário Mackenzie imediatamente se instalou em sua nova morada, e ainda disse que iria ajudar nas próximas celebrações, para não chamar atenção de sua presença, e para vigiar o Reverendo bem de perto. O olhar do Reverendo era um misto de desespero, fúria e dúvida, será mesmo que sua coroa da justiça estava sendo dada naquele exato momento?

…………………

John Vane, um ex-fazendeiro, hoje um velho lobo acaba de chegar na cidade. Descendo de uma velho vagão rebocado por uma locomotiva da West Express Railway, cortou uma grande extensão das pradarias de todo este novo território. Ele não pode deixar de notar que, a estrada de ferro é responsável em trazer todo dia o progresso para o Oeste, afinal o progresso apressa-se a percorrer todo o pais. Novas aventuras, histórias, tragédias e grandes destinos vinham do leste para se estabelecer nesta nova terra, novas vidas irão brotar e deixar a sua marca por essas bandas. Batendo a poeira que o vapor lançou nas pessoas, Vane decide caminhar pela cidade e conhecer as ruas mais movimentadas, o comércio mais popular, logo percebe que a Delegacia parece estar localizada bem no meio da avenida principal batizada de Thomas Willcox, ou comumente apelidada de “Grande Velho Will – Great Old Will”, talvez para inibir a ação de criminosos, já que o banco encontrá-se bem ao seu lado. Vance pensa, um papo com o Xerife local pode ajudá-lo e muito para se estabelecer na cidade, e ao se aproximar da delegacia ele percebe logo os cartazes de Procura-se Vivo ou Morto fixados na parede externa.
John percebe então que, o movimento mais acima no “Alamo” estava mais agitado e se dirigiu até lá. Quando estava a uma distância próxima ao local ele percebeu cavalos amarrados logo ao lado do estabelecimento, e também pode escutar a voz alta e ressoante de um homem, que anunciou-se como Xerife, então Vane decidiu parar e ficar do lado de fora e ver o que poderia acontecer, apenas deixando que a ocasião exercitá-se os seus ouvidos.
…………………

Scott Knox McCallister também havia chego à cidade, um ex-confederado da guerra da união que havia tomado o mesmo expresso que John Vance, mas, este velho soldado parou momentos antes no banco para retirar um certo crédito pendente que ainda tinha direito, era coisa pouca, mas o que foi ganho com trabalho deveria ser saldado, este era seu direito.
Após isso McCallister decidiu caminhar até o “Alamo”, com o intuito de levantar informações de como poderia encontrar serviços que estariam à altura de sua alçada. Chegou ao Saloon, cumprimentou um homem que estava encostado numa parede próxima a entrada, a outro que encontráva-se sentado e que logo saiu, e se dirigir ao balcão. Pediu uma dose e perguntou do xerife a primeira pessoa que viu. A senhorita Jones é a proprietária do Saloon, e comentou rapidamente que míseros minutos não encontrou o Xerife, ele estava sim no local. Ele precisou deixar o local devido às obrigações que reclamavam sua atenção, assim ele dizia. O que aconteceu foi um desencontro, mas se fosse rápido ele poderia ser encontrado na Delegacia, ele havia dito que iria para lá. Scott agradeceu, pagou sua bebia e aproveitou para alugar um quarto no Álamo, já que, além de Saloon o recinto também funcionava como uma hospedaria. Após isso, o pistoleiro rumou para a delegacia.
Antes de entrar McCallister analisou cada cartaz de procurado que estavam fixados na parte de fora da Delegacia, e escolheu um, era de Bret Murdock, ladrão de galinhas que vinham irritando fazendeiros locais. O velho ex-confederado se apresentou ao Delegado e pediu informações a cerca do pequeno ladrão, perguntando se poderia ajudar o oficial a aplicar a lei. Winchell se alegrou e comentou que ele estava próximo a região da Fazenda Smith, McCallister agradeceu solicitou um cavalo e logo cavalgou para a região, estava novamente fazendo o que um homem precisa fazer.

Pouco depois John Vane também visitou a Delegacia, por sorte pegou o Xerife de saída e o mesmo foi gentil em escutá-lo. Vane lhe perguntou se conhecia pessoas que mexiam com animais, pois, estava procurando emprego. O Xerife Arthur comentou com ele sobre uma fazenda que criava ovelhas e que poderia empregá-lo, já que as danadas andavam dando trabalho para seus criadores, e que ele deveria procurar as grandes fazendas de gado, que praticamente teriam serviço, já que Adilene estava próxima e Bonesnake é uma rotas para o acesso a “Cidade Grande”, Adilene é a cidade mais importante no transporte e principalmente na criação de gado que abastece todo o país, e com certeza trabalhar como Cowboy renderia uma boa grana. Vane aproveitou e perguntou sobre a velha mina do Terence, porque havia visto a placa indicando o seu caminho que subia para as montanhas quando estava no Alamo. O Xerife então arqueou seus grossas sombracelhas e contou que a anos atrás ocorreu um acidente terrível no local, realmente a velha mina era algo que trouxe no passado um certo prestígio para a cidade; não chegou a chamar tanta a atenção quanto as minas de ouro espalhadas por ai, mas a velha mina de prata de Terence acabou tendo uma parte de seu trecho obstruído por um desmoronamento que provavelmente custou a vida do velho mineiro, não é seguro perambular por lá. Além disso, dizem as más línguas que seu espírito pode ser visto em noites perdidas e escuras, ainda desempenhando seu velho ofício de peneirar prata a beira do riacho próximo a mina.
O Xerife disse, mais para desviar o assunto, que poderia ajudar o recém chegado a encontrar um emprego, e que poderia lhe indicar para a Gwendolyn Smith, a responsável pela Fazenda Smith, umas das fazendas mais antigas e rentáveis de toda a região e que atualmente valeria muito mais a pena trabalhar para a jovem senhorita do que para o Sr. McDougal ou mesmo para o velho Sr. Hobson, ambos rivais e senhores das fazendas de criação de gado, pois ambos não mantinham uma amizade assim tão próxima. Vance agradeceu a ajuda, o Xerife comentou que o rapaz poderia procurar a fazenda e que o estava recomendando para a senhorita, já que eles eram amigos de longa data.

…………………

Já era tardinha quando Gewndolyn Smith terminava os seus afazeres e também terminava de conferir o trabalho de seus empregados na fazenda da sua família. Esta fazenda foi a residência de muitas gerações dos Smith, uma família que conta com muitas ramificações e é uma das primeiras famílias que se estabeleceram nos arredores de Bonesnake. Hoje, a fazenda possuí sua própria autonomia, além de contar com uma vasta área própria para pastagem de gado bovino, são hectares e hectares a perder de vista, e isso é uma das preocupações da jovem senhorita destas terras. Marcada pelo trabalho árduo e castigada pelo sol Gewndolyn já foi taxada algumas vezes pelo povo da cidade como “Mulher Macho”, “Grosseirona” e muito outros apelidos bem menos gentis, esse fato além do aspecto que a senhorita se apresenta no dia-a-dia muitas vezes foram o motivo que afastava futuros pretendentes. Se casar e ficar cuidando da casa e filhos definitivamente não era o destino que a senhorita Smith queria.

Durante o dia um fato chamou a sua atenção. Ao atravessar as imediações da Casa Grande, a senhorita Gwendolyn percebeu que alguns dos seus funcionários estavam conversando com um cavaleiro próximo a entrada da fazenda, ela pegou um cavalo, chamou Rob, seu funcionário mais antigo e leal para acompanhá-la e ambos se dirigiram até lá. Ao se aproximar do pequeno grupo, ela consegiu escutar o resto da conversa e flagou o homem dizendo para os funcionários, dentre eles um chamado Pablo, e que parecia muito interessado, que ele poderia ganhar muito se fosse fazer parte de dos funcionários da fazenda McDougal. A senhorita Gwendolyn então dispara contra o cavaleiro que não é educado roubar funcionários de fazendas vizinhas e que ela paga muito bem para que todos que trabalhem para ela reconheçam como tal. A senhorita reconhece o cavaleiro, sujo como um porco, de barba volumosa e encardida, cheirando a bebida e fedido como um gambá, era Julian, o capataz arruaceiro de Harry McDougal.
O Homem sorri, se prepara para deixar o local e esbraveja que com certeza, tudo o que aconteceu ali não iria ficar daquele jeito, pois ele conhece jovens dispostos a se dar bem na vida, e era o caso de Pablo, antes que a senhorita pudesse fazer algo, Julian deu meia volta e rompeu na direção da fazenda McDougal, chicoteando seu cavalo severamente. Após isso Gwendolyn ordeu que seus homens voltassem ao trabalho, mas as frases de Julian ficaram ressoando em seus ouvidos.

Ao fim do dia, após terminar de recolher os cavalos, a senhorita da fazenda conseguiu enxergar a uma certa distância um cavaleiro rasgando a toda velocidade a empoeirada estrada que leva até Wisehill, definitivamente era Jake McDougal, a sua famosa camisa azul celeste e suas calças de montaria de couro curtido anunciavam a pessoa. Jake era cowboy de seu próprio pai, Harry McDougal, conhecido como um dos grandes criadores de gado da região.
Diziam que o rapaz trabalhava bem em sua fazenda, mas tinha uma mania de se queixar demais dos seus próprios afazeres e de também, das amarras de seu pai. Jake montava um corcel de tonalidade acobreada, com uma pelagem de brilho ímpar, que ao ser tocada pela luz do sol poente às margens do grande Smoky Hill River parecida estar em chamas, uma visão deslumbrante, e o resultado dos bons tratos do Cowboy para com o seu animal.

O fato do cavaleiro estar rumando para Wisehill chamou a atenção da senhorita, que decidiu seguir o mesmo caminho do rapaz para ver no que ele estava se metendo. Algumas milhas depois, Gwendolyn, a uma distância segura consegue enxerga o jovem McDougal, e percebe que ele não estava desacompanhando, ele estava comuma mulher, uma linda mulher.
Ao se aproximar mais e muita cautela, a senhorita percebe que a companhia de Jake era ninguém menos que Délia Hobson, a irmã de John Hobster, o rival declarado de Harry McDougal. Délia era conhecida pela sua beleza que era comparada a uma pintura mas todas tinham receio de se dirigir a ela devido ao poder de seu irmão. Ela também era responsável pelo jornal da cidade, o Alvorecer (The Dawn no original), responsável por trazer as notícias de Bonesnake e imediações para toda a população. O Alvorecer também era conhecido por ser um jornal com tom mais tétrico do que o tolerável, tinha mais tendência de cobrir assassinatos e roubos do que as novidades do leste. Afinal essas eram as notícias mais populares e que faziam que o jornal fosse consumido.

Intrigada, a senhorita Smith retornou até a sua fazenda perdida em seus pensamentos, por que diabos os filhos de rivais assumidos estariam se relacionando? isso resultará em mortes com certeza. Antes mesmo que pudesse entrar em casa e descansar, ela escutou o sino da porteira de entrada da fazenda ressoar, agarrou sua espingarda e chamou Rob. Foi até a entrada para verificar o que a pessoa que tocava o sino desejava a essas horas. Mantendo uma distância segura a senhorita Smith perguntou a um cavaleiro o que ele desejava e quem era. Ele se apresentou como Scott Knox McCallister, e que estava ali para prender um ladrão de galinhas que estava agindo nas imediações, ele chegou a perguntar se a senhorita havia dado falta de galinhas na propriedade e ela negou. Então o senhor McCallister perguntou se haveria problemas em montar uma tocaia para pegar o ladrão, se ele tivesse sorte, ele comentou que ficaria próximo ao galinheiro da propriedade. O seu pedido foi concedido pela senhorita Smith.

Horas depois, quando a lua estava alta e incidia o seu reflexo por toda a pradaria da fazenda Smith, alguns movimentos de vultos despertaram os sentidos de McCallister, que rapidamente passou para o lado de fora da cerca e dirigiu-se atrás dos vultos. O pistoleiro se aproximou sorrateiramente pelas costas de uma pessoa que aguardava na cerca, o outro estava entrando mesmo no galinheiro e procurava uma ave para furtar, eram realmente os ladrões. McCallister percebeu um movimento brusco de seu alvo, sem pensar disparou seu revólver Colt e o homem desabou já sem vida, revelando a frente o ladrão que ficou paralisado com sua descoberta. – Não ouse meu rapaz! Mãos ao alto e e não tente nenhuma gracinha.
Após o disparo, a senhorita Smith e seus funcionários chegaram com armas em punho, e verificaram que o homem que jazia morto era Julian, o capataz de Sr. McDougal e o rapaz capturado por McCallister que ainda o tinha em sua mira era mesmo Bret Murdock, o ladrão procurado em Bonesnake, que tinha mentido o seu nome verdadeiro e apresentáva-se como Palo. Pablo era justamente o funcionário de Gwendolyn que estava conversando com Julian na parte da manhã. McCallister o laçou feito a um bezerro e o colocou no lombo do cavalo, dizendo que seu trabalho estava feito e que iria imediatamente levar o ladrão capturado para o Xerife Winchell e receber pelo seu trabalho. Já o corpo de Julian ficou sob a responsabilidade da senhorita Smith.

…………………

Quando as estrelas começaram a surgir em Bonesnake já era noitinha; O Alamo já encontráva-se com muitas pessoas comendo e divertindo-se em seu aconchegante recinto.
Mary Jones estava preocupada com a ausência de seu sócio Cyrus Riley, ainda mais que precisou cobrir o turno de seu sócio durante todo o dia, e a exaustão já começava a dobrar a sua vontade. A senhorita Jones aproveitou uma breve pausa no atendimento de Joana para lhe perguntar do sócio, mas a garota disse que não colocou os olhos no senhor Riley já há um certo tempo. Joana é a empregada mais antiga da senhorita Jones, e também uma das meretrizes mais famosas do Alamo. Correm boatos por toda a cidade que a beleza da garota já foi motivo de muitas brigas e desentendimentos entre pistoleiros e jogadores de pôker que passaram pelo saloon, além dela possuir um débito com a senhorita Jones, e que apenas as duas conhecem esse segredo. Após perguntar do paredeiro de seu sócio, a senhorita Jones curiosa se dirigiu até o quarto do mesmo, suniu as escadas em meio a cantoria e o ar de festa do saloon, chegou a porta de Cyrus e bateu. Como ninguém atendeu ela experimentou a maçaneta e percebeu que a porta estava aberta. Ao adentrar no quarto, Mary percebeu que algo estava errado, verificou o baú e a penteadeira de Cyrus e percebeu que todos os pertences dele haviam desaparecido. Ela verificou também o guarda-roupas e ele também estava vazio, era verdade que Cyrus não tinha muitas coisas no seu canto, mas tudo havia sumido com exceção de uma par de botas que ele gostava muito, tudo isso era algo muito estranho isso, e isso precisava ser verificado.
A exaustão finalmente conseguiu vencer a vontade da senhorita Jones, depois de descobrir este mistério, ela se dirigiu para o seu quarto, retirando-se para descansar. Não antes de deixar preparada uma espingarda, estratégicamente posicionada ao lado da cabeceira da cama, pois, com o tempo tinha desenvolvido este costume de estar preparada a qualquer situação. Uma proprietária de saloon precisava sempre ter esses cuidados. Após os primeiros raios do dia, a primeira coisa que a senhorita Jones fez foi se dirigir até a Delegacia. Ela precisava comunicar o desaparecimento de Cyrus para o Xerife Winchell. Ao adentrar na delegacia ela não encontrou o Xerife, apenas seu ajudantes o jovem Charles Wess e seu primo mais velho, o rabugento Nick “Three Fingers”. Mary então comentou do desaparecimento de Cyrus, e que isso deveria ter uma atenção especial do Xerife Winchell, e os ajudantes comentaram que o Xerife andava mesmo muito ocupado, tendo que fazer estabelecer a ordem uma grande extensão, mas que provalvelmente ele retornaria a noite, e com certeza seria avisado do incidente. A senhorita não ficou muito contente, pediu urgência nisso e teve que se contentar com o atendimento que deixava à desejar na delegacia.
A preocupação de Mary não a deixava, e ela voltou então para seu estabelecimento e ao passar para o lado interno do balcão, Perry, seu funcionário mais leal comentou que há poucos minutos atrás, Jake McDougal esteve no local e deixou uma carta endereçada à senhorita Hobson, então ele a entregou a sua patroa. Mary percebeu que a carta estava lacrada com um selo da família McDougal, mas afinal que informação estaria contida naquela carta, e o que Jake queria com Délia, já que todos na cidade sabiam da richa entre os McDougal e os Hobson, e se Jake queria entregar uma carta para Délia, porque ele mesmo não a entregou, que mistérios aquela carta guardava?

View

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.